icon-facebookicon-logo-a-marcaicon-logo-circulo icon-nucleoicon-selecao-graficoicon-seta-nexticon-seta-prevslider-bt-nextslider-bt-prev

Selecão

Nossas Pesquisas – Trabalhos científicos

- Índice Bioeconômico Nelore JR:

Ciente de que a busca por um sistema de produção eficiente, do ponto de vista produtivo e econômico está ancorada em animais mais produtivos e também que sejam rentáveis, a Nelore JR busca definir quais características deverão ser utilizadas como critérios de seleção baseando-se nos atributos que contribuem em maior valor para o lucro do sistema produtivo. Para que estas características sejam identificadas, foi realizado um estudo minucioso, desenvolvido pela doutoranda Flávia Souza (Embrapa/UFG/University of Wisconsin), o qual tem como objetivo conhecer qual o retorno econômico esperado por meio da seleção de uma dada característica. “Essa é uma grande questão a ser resolvida por muitos melhoristas, pois todo mundo seleciona, mas ninguém sabe o ganho que temos em investir no melhoramento animal” conforme afirma Júlio Bernardes. Resultados desde trabalho foram publicados na íntegra na Revista Bovinos (Volume 10, maio/2016) e estão disponíveis na internet (https://issuu.com/anamiranda105/docs/revista_bovinos_vol.10_final_miolo./1).

Os resultados desta pesquisa, demonstraram que características reprodutivas e de longevidade produtiva foram 3,2 vezes mais importantes que as características de velocidade de crescimento, representando 76,30% em grau de importância no sistema de produção da Nelore JR. No entanto, o peso ao sobreano (P450) isoladamente foi a segunda característica que mais impactou economicamente, provavelmente por ter grande relação com o peso de abate e este ser a principal fonte de receita da propriedade.

Baseados nestes resultados, de forma a maximizar o ganho genético e econômico, foi possível desenvolver o índice Bioeconômico Nelore JR. Desta forma, Dr. Júlio Bernardes enfatiza: “Nosso índice visa a seleção genética simultânea para várias características ponderadas economicamente. Desta forma, estaremos selecionando um animal não só pelo seu aspecto genético, mas também pelo seu valor econômico no dado sistema, com o objetivo de trazer mais lucro para seu rebanho”.

Assim, o Índice Bioeconômico Nelore JR foi constituído por características de velocidade de crescimento, carcaça, fertilidade, precocidade e longevidade produtiva. A longevidade produtiva foi o atributo de maior peso no Índice Bioeconômico Nelore JR com uma representatividade de 54%, podendo ser explicada por essa característica consistir na habilidade da fêmea permanecer produtivamente no rebanho, estando relacionada à precocidade sexual, capacidade reprodutiva, produtiva e maternal dos animais. Por isso, grande atenção e enfoque deve ser dado a ela, já que seu peso econômico representou mais de 50% do total, quando comparada a todas as características avaliadas. Seguida da longevidade produtiva aparece a velocidade de crescimento e carcaça (28%), fertilidade e precocidade (18%).

O corpo de pesquisa nacional e internacional (Flávia Souza, Cláudio U. Magnabosco, Fernando B. Lopes, Guilherme J. M. Rosa, Fernando Baldi, Raysildo B. Lôbo, Luis Gustavo Figueredo) que tem trabalhado com esse tema, reforça a necessidade de um Índice Bioeconômico de Seleção que alie os aspectos genéticos e econômicos, contribuindo efetivamente para pagar a conta do sistema de produção. Numa projeção realizada para avaliar a resposta econômica e genética para a seleção de animais por meio do Índice Bioeconômico Nelore JR, foi observado que este é capaz de gerar R$ 309,7 em termos genéticos por geração e um ganho genético de 0,9 kg; 3,9 kg; 4,4 kg; -0,11 meses; 0,13 cm; 5% e 0,44 cm2 para P120, P365, P450, IPP (Idade ao Primeiro Parto), PE450 (Perímetro Escrotal aos 450 dias), STAY (Stayability) e AOL (Área de olho de lombo), respectivamente.

Os resultados do projeto de pesquisa, permitiram constatar que a utilização do Índice Bioeconômico Nelore JR é uma ferramenta que identifica os tourinhos mais harmônicos e que irão promover maior lucro à fazenda. Este método de seleção tem sido considerado mais eficiente, do que quando a seleção é realizada por meio de um índice empírico. Visto que, os índices bioeconômicos de seleção não são “palpites”, nos quais os animais são selecionados baseando-se em critérios definidos empiricamente, mas trata-se de um diagnóstico com embasamento técnico-científico.

- TDTJ – Embrapa Arroz e Feijão e Embrapa Cerrados

A utilização de animais jovens em reprodução impacta na redução do intervalo de geração e pode resultar no aumento do progresso genético. Mas para isto, faz-se necessário que estes animais apresentem desempenho genético superior, além disso, a avaliação deve apresentar boa acurácia, para que estes animais sejam utilizados com confiabilidade.

Uma das técnicas que podem ser utilizadas para avaliação de touros jovens é o Teste de Desempenho, que consiste na criação de animais em condições de ambiente uniforme, ou seja, mesmo manejo nutricional, sanitário e reprodutivo, de forma que as diferenças observadas possam ser atribuídas ao mérito genético dos animais. A Nelore JR utiliza esta ferramenta de avaliação através da participação nos Testes de Desempenho realizados pela Embrapa Arroz e Feijão e Cerrados, desde a sua 1ª edição em 1998.

Com a participação nos Testes de Desempenho é possível avaliar os tourinhos Nelore JR com animais de outros criatórios e sob condições de criação diferentes das Fazendas JR. Durante os testes, os animais são avaliados quanto ao peso corporal, ganho em peso, perímetro escrotal, visual (EPMURAS), carcaça (AOL e EG). Em todas as edições, os tourinhos JR participantes sempre se classificaram como Elite ou Superior, comprovando o potencial de adaptação dos animais JR e também a superioridade genética e produtiva. Assim, a avaliação da eficiência produtiva e genética dos animais Nelore JR vai além da própria análise da fazenda, sendo respaldada pela principal instituição de pesquisa agropecuária brasileira, a Embrapa. Os resultados dos animais JR nos testes confirmam estar sendo introduzido e apresentado animais de um rebanho com excelente patrimônio genético, caráter fundamental para alta produtividade e conquista do mercado.

Após a finalização dos testes, os animais são ofertados em leilões anuais. Desta forma, é realizada a disseminação da genética JR com consequente transferência da tecnologia gerada dentro da própria fazenda.

- Eficiência Alimentar

Tendo em vista a alta participação da alimentação nos custos de produção, a Nelore JR buscou incluir a eficiência alimentar como critério de seleção, sendo utilizado como característica o consumo alimentar residual, que é a diferença entre o consumo observado e o predito (CAR), que é estimado baseando-se no peso corporal dos animais e também no ganho em peso almejado. Assim, busca-se os animais que apresentam CAR negativo, ou seja, consomem menos alimento com o mesmo ou até superior patamar produtivo.

Para a realização desta avaliação, a Nelore JR firmou parceria de cooperação técnica com a Embrapa Cerrados e também participa do projeto de pesquisa intitulado: Caracterização e seleção genômica para eficiência alimentar em bovinos nelore avaliados no estado de Goiás.

Neste projeto, todos os machos desmamados Nelore JR serão submetidos a avaliação em Teste de Desempenho e os animais que apresentarem desempenho Elite e Superior serão enviados a unidade da Embrapa Arroz e Feijão, na qual serão avaliados quanto ao consumo alimentar residual, em confinamento composto por cochos e bebedouros eletrônicos da empresa Intergado.

Como resultado, teremos a identificação dos animais que apresentam maior potencial para eficiência alimentar, e assim, são mais rentáveis para o sistema. Estes animais serão selecionados e utilizados como reprodutores, assim será realizada seleção genética para eficiência alimentar, critério que será incorporado no rebanho, gerando produtos também mais eficientes e que vão apresentar grande redução nos custos de produção com consequente maior rentabilidade para os sistemas pecuários.